A arriscada travessia de um piloto brasileiro, na Itália, durante a II Guerra Mundial que ousou encarar o inimigo em seu próprio território. Um exemplo de coragem, perseverança e ousadia para chegar às linhas aliadas, por quase 30 dias e percorrendo mais de 450 km.

Danilo Moura nasceu em 30 de junho de 1916, e foi um Segundo Tenente da Força Aérea Brasileira durante a Segunda Guerra Mundial na Campanha da Itália e que era irmão mais novo do comandante do 1º GAvCa, Nero Moura. Em 4 de fevereiro de 1945, depois de realizar sua 11ª missão, ele foi abatido por uma artilharia antiaérea nazifascista próximo a cidade de Treviso, após ser abatido ele saltou de paraquedas de sua aeronave e foi resgatado e escondido por italianos simpatizantes dos Aliados. Depois de se recuperar, ele resolveu voltar para sua base, ele fez uma caminhada de 386 quilômetros durante 24 dias e conseguiu retornar a base em Pisa, ele estava 19 quilos mais magro. Após retornar ele não pode mais realizar missões de guerra, porquê se ele fosse abatido mais uma vez e feito prisioneiro, seria considerado um espião pelos inimigos e seria fuzilado. Sua história de sobrevivência deu origem ao evento Ópera do Danilo, que todo ano é encenado em forma de homenagem no Dia da Aviação de Caça no dia 22 de abril, que foi data que o 1° GAvCa chegou ao seu auge de missões. Depois da guerra, quando voltou para o Brasil como herói de guerra, foi condecorado pelos seus feitos tanto pelo governo brasileiro quanto pelo governo estadunidense, no mesmo ano em 1945 ele deixou a FAB e se tornou piloto civil na Panair do Brasil, trabalhando lá por muitos anos, chegando a classificação “Master Pilot”. Após a falência da Panair, ele se tornou fazendeiro em Coioêre, no Paraná. Ele se casou com Maria Isolina Krieger e teve 5 filhos. Acabou falecendo dia 14 de maio de 1990, no Rio de Janeiro, aos 73 anos. (Wikipédia) História completa Blog: Ensinar História – Joelza Ester Domingues