A cidade de Arambaré localiza-se a cerca de 156 Km de Porto Alegre (capital do Rio Grande do sul, Brasil). Sendo banhada pelas águas da Lagoa dos Patos (maior laguna do Brasil e segunda maior da América Latina, perdendo apenas para o Lago Maracaibo, na Venezuela) e conhecida como a Capital das Figueiras. É no município de Arambaré que se situa a maior Figueira do estado do Rio Grande do Sul, chamada de Figueira da Paz. Os primeiros habitantes da região onde hoje prospera a cidade de Arambaré foram os índios Arachas, também conhecidos como Arachanes ou Arachãs, que na língua tupi significa “patos”. Por volta de 1763 casais açorianos vindos para o sul estabeleceram-se na margem esquerda do estuário do Guaíba e na margem direita …

A lenda da Índia Justa

Segundo histórias contadas de pais para filhos, sob os generosos galhos da Figueira da Paz viveu uma índia, cujo nome era Justa. A índia da tribo Arachanes, viveu solitária desde a mocidade até a morte em idade avançada. Sua casa era a árvore, e há quem diga que a índia foi enterrada junto da enorme figueira quando sua hora derradeira chegou.

Quando me deparei com essa lenda procurei por mais informações relacionados a ela, mas apenas no blog Art e Fatos de Rosane Blaskowski (clique aqui para conhecer), pude me aprofundar mais na história da índia Justa. Segundo Rosane, a sua avó teria sido uma índia, da mesma tribo da qual pertencera Justa. Ela foi capturada e “domesticada”, depois disso ela teria conhecido o avô de Rosane. A avó passou alguns ensinamentos a respeito da cultura dos índios Arachanes para a mãe de Rosane, e a mesma retransmitiu essas informações para a própria Rosane. Segundo essas informações, os Arachanes não permitiam que moças da tribo tivessem relacionamentos afetivos com rapazes de outra tribo, ou mesmo com os homens brancos.

Caso uma moça desobedecesse esse costume e por ventura engravidasse, a criança seria morta e a índia expulsa do convívio com os demais membros da tribo. Rosane faz uma relação desse costume, com o fato da índia Justa ter vivido boa parte da vida sozinha sob os galhos da árvore símbolo de Arambaré. Achei interessante essa relação, ela explicaria porque Justa teria vivido de maneira tão solitária, o que era muito difícil na época.

Depois de conhecer a lenda da índia Justa, não pude deixar de relacionar as histórias de assombrações relacionadas a figueira da Paz, que ouvi em minha passagem por Arambaré, com a solitária índia. Como eu deixei bem claro acima, eu ouvi apenas um relato completo dessa suposta assombração, e nem posso fornecer o nome das pessoas envolvidas, pois não os tenho, o que pode servir de argumento, para as pessoas que não acreditam em histórias de assombrações e fantasmas, que quiserem criticar esse texto. Mesmo assim achei interessante compartilhar com vocês esse material, que bem pode servir como curiosidade.