Campeão do Jaguar iPace eTrophy na temporada 2018/19, Sérgio Jimenez usufruiu do prêmio pela conquista do título. Entre 9h e 13h desta quinta-feira (17), em Valência, o piloto guiou o Jaguar da geração 1 na Fórmula E.

Campeão do Jaguar iPace eTrophy na temporada 2018/19, Sérgio Jimenez usufruiu do prêmio pela conquista do título. Entre 9h e 13h desta quinta-feira (17), em Valência, o piloto guiou o Jaguar da geração 1 na Fórmula E e ficou bem satisfeito com a experiência, além de ter destacado o fato de ter impressionado os engenheiros da fábrica britânica ao longo dos trabalhos​

Sérgio Jimenez teve a chance de pilotar um carro da Jaguar na Fórmula E nesta quinta-feira (17). A sessão privada, que aconteceu no circuito Ricardo Tormo, em Valência, foi um prêmio ao piloto nascido em Piedade por conta da conquista do título mundial do Jaguar iPace eTrophy na temporada 2018/19.
Jimenez, que vai defender o título da categoria dos carros elétricos de turismo no próximo campeonato, foi à pista durante o período da manhã até o começo da tarde no traçado espanhol. O brasileiro voltou a acelerar um carro de fórmula após mais de dez anos. A última vez de Sérgio em um monoposto foi no já distante 2008, nos tempos em que competiu na antiga A1 GP.
Mas os trabalhos visando o teste em Valência começaram muito antes. Jimenez esteve nos últimos dias em Grove, na sede da Williams. É lá que fica também o simulador da Jaguar e foi onde a preparação se intensificou antes do embarque para a Espanha para acelerar nesta manhã.
Jimenez pilotou um modelo antigo da Jaguar, da chamada geração 1 de carros da Fórmula E, sem halo e com menor autonomia quanto ao consumo de bateria. Por isso, o campeão do Jaguar iPace eTrophy completou menos voltas do que gostaria. Ainda assim, o saldo é considerado bastante positivo, sobretudo porque o brasileiro entende que chamou a atenção da Jaguar de forma positiva.
Pouco depois do fim dos trabalhos de pista em Valência, Jimenez falou ao GRANDE PRÊMIOsobre a experiência de guiar um carro da Fórmula E. “Foi muito bacana. Foi uma semana muito show. A gente bateu forte para conseguir fazer o simulador lá na Williams e valeu muito a pena porque deu para ter um feedback, é um simulador muito bacana. Deu para pegar principalmente pontos de freada, o jeito de frear o carro, aceleração, então isso facilitou para chegar aqui e logo de cara andar muito rápido”.

“Então isso foi muito positivo, principalmente porque a gente teve uma sessão das 9h às 13h, era pista reservada. Só que dei apenas 11 voltas rápidas, para você ter uma ideia. A gente andou com o carro antigo, e esse carro antigo tem um consumo de bateria muito curto, de 20, 25 minutos, estourando, e demorava muito para recarregar. É uma versão antiga. A nova já é bem mais evoluída”, explicou.
“Mas toda vez que fui para a pista, fui muito rápido. Tinha dados do passado, a gente comparou e foi bem bom. Teve curvas em que fui melhor até que os pilotos [titulares] da Jaguar. Desci uma hora e vi muitos engenheiros da Jaguar no nosso box, então alguma coisa certa eu estava fazendo [risos]. Então acho que foi legal. Foi bom, estou contente. Teve seus percalços, mas, na medida do possível, estou muito feliz pela oportunidade”, comemorou.

“Obviamente que tudo veio por uma conquista, então estar pilotando em uma das maiores categorias do mundo é muito positivo. É mais uma coroação aí de todo o meu trabalho, de toda a minha carreira. Aproveitei ao máximo a oportunidade”, destacou Jimenez, que já começa a pensar na defesa do seu título, mas frisa: sempre com o olhar atento em uma oportunidade na Fórmula E.

“E vamos lá. Agora é focar no iPace durante 2019/20, mas sempre com um olhinho na Jaguar e na Fórmula E, que é o objetivo. Talvez esteja longe, mas a gente tem sempre de ficar atento e mirar alto na vida”, concluiu