Os pampas constituem uma região natural e pastoril de planícies com coxilhas cobertas por campos localizada no sul da América do Sul

Pampa é um bioma localizado no extremo Sul do país. Ele se caracteriza por apresentar um relevo pouco acidentado, e sua vegetação é composta por plantas herbáceas, arbustos e árvores de pequeno porte, como o capim-forquilha, o trevo-nativo e o algarrobo.
Dentre os animais que podem ser encontrados nesse bioma, podemos citar os veados, capivaras e pequenos roedores, como o tuco-tuco, uma espécie endêmica.
O clima é quente no verão e apresenta um inverno rigoroso. O Pampa, embora possua grande biodiversidade e diversos serviços ecossistêmicos importantes, tem sido bastante afetado pela ação humana, principalmente para a utilização das terras para a agricultura e pecuária.

Características gerais do pampa
O Pampa ou campos sulinos é um dos biomas presentes no Brasil, sendo reconhecido como tal no ano de 2004. No país, encontra-se localizado no estado do Rio Grande do Sul, ocupando uma área de 176.496 km², o que corresponde a cerca de 2% do território brasileiro. No entanto, ele não é restrito ao Brasil, estendendo-se também pelo Uruguai e por algumas regiões do Paraguai e da Argentina.

O termo pampa tem origem na língua quíchua e significa planície, o que remete a uma das características desse bioma, que é o seu relevo pouco acidentado. O clima na região é o subtropical úmido. Nele as chuvas são bem distribuídas por todo o ano, o verão apresenta altas temperaturas e o inverno é rigoroso. Sua temperatura média é de 18 ºC.

Flora do Pampa
O Pampa apresenta grande diversidade vegetal, podendo ser encontradas em torno de três mil espécies de plantas. A vegetação é constituída por espécies herbáceas, com uma grande diversidade de gramíneas, arbustos e árvores de pequeno porte. A paisagem é constituída principalmente por campos naturais, apresentando regiões com matas restritas às margens dos locais onde o relevo é mais acidentado.

Dentre as espécies vegetais encontradas no Pampa, podemos citar:

grama-tapete
capim-forquilha
flechilha
cabelo-de-porco
babosa-do-campo
trevo-nativo
algarrobo
nhandavaí
Fauna do Pampa
A fauna do Pampa também é bastante diversificada. Dentre as inúmeras espécies de animais encontradas nesse bioma, podemos citar:

mamíferos, como o veado-campeiro e os furões
anfíbios, como o sapinho-de-barriga-vermelha
aves, como o joão-de-barro, a ema, a perdiz e a caturrita
Muitas espécies encontradas no Pampa são endêmicas, como:

sapinho-de-barriga-vermelha
beija-flor-de-barba-azul
tuco-tuco
Algumas estão em risco de extinção, como:

veado-campeiro
picapauzinho-chorão

Importância e conservação do Pampa
O Pampa é um bioma que contém grande biodiversidade, apresentando inclusive inúmeras espécies endêmicas, sendo assim importante fonte de recursos genéticos. Além disso, essa biodiversidade é responsável por inúmeros serviços ecossistêmicos, como:

estocagem de carbono
purificação das águas
controle de pragas agrícolas
controle da erosão do solo
reposição de sua fertilidade
É importante destacar que grande parte do aquífero Guarani encontra-se no Pampa.

Embora apresente grande importância para todos os seres vivos, biomas como o Pampa são os mais ameaçados e menos protegidos do planeta. Isso se deve ao fato de serem os biomas que apresentam características que lhes conferem uma boa produtividade e favorecem a ocupação humana.

No Brasil, grande parte do Pampa foi alterado, sendo substituído por lavouras de milho, soja, arroz, trigo, além de monoculturas de Pinus sp. e pecuária extensiva. Estima-se que, em 2008, restavam apenas 36% da sua vegetação nativa. Muitas áreas já foram afetadas de tal modo que não podem mais ser utilizadas, pois apresentam baixa produtividade, devido ao manejo insustentável, ou estão degradadas, devido ao sobrepastoreio.
Além disso, estudos mostram que as mudanças climáticas podem afetar gravemente esse bioma, desencadeando, por exemplo, a perda de habitat de muitas espécies. A perda de biodiversidade compromete os serviços ambientais prestados por essa vegetação. Apenas 453 km² do Pampa encontram-se protegidos em Unidades de Conservação de Proteção Integral, isso corresponde a menos de 0,5% de toda a sua extensão. Políticas de preservação eficazes são essenciais para esse bioma tão diverso e tão importante. (fonte: biologianet.com)