Dodge Dart é uma linha de automóveis fabricados nos Estados Unidos pela Dodge entre 1960 e 1976 e no Brasil, entre 1969 e 1981. O primeiro modelo saiu somente na versão Sedan, ou seja, modelo 4 portas (o coupé saiu em 1971) sendo que nesse mesmo ano foi eleito o carro do ano, segundo a Revista Autoesporte – principal publicação especializada da época.

Possuía o maior motor até então fabricado no Brasil: V8 de 318 polegadas cúbicas (5.212 centímetros cúbicos) a gasolina. Desenvolvia 198 HP (SAE) a 4600 rpm e 41,5 mkgf de torque a 2400 rpm. Alcançava a velocidade máxima de 180 km/h, criando assim uma faixa de luxo entre o Ford Galaxie V8 292 e o Chevrolet Opala 6 cilindros em linha 3800. Nos modelos Charger LS ele ganhava escape duplo chegando a 205 HP (SAE), e no Charger R/T, além dos itens mencionados no modelo Charger LS, ganhou também uma maior taxa de compressão (8,4:1) para uso de gasolina azul de maior octanagem, sendo o mais veloz e potente carro nacional, recorde (apenas em velocidade) que só foi quebrado no anos 90 com o Fiat Tempra Turbo.
Dodge Dart Coupé modelo 1973
O Dart foi o modelo-base para os outros automóveis fabricados na família Dodge no Brasil, que mudavam conforme o estilo e o acabamento. Os modelos fabricados no Brasil a partir de 1971 diferiam do modelo americano principalmente na estética frontal e traseira, porém a engenharia da motorização era a mesma utilizada nos modelos importados (original do Dodge Dart americano 1968-1969 com motor LA318).


Lançado em outubro de 1969, o primeiro modelo saiu somente na versão Sedan, ou seja, o modelo 4 portas, o coupé 2 portas foi lançado em 1971, sendo que nesse mesmo ano foi eleito o carro do ano, segundo a Revista Auto Esporte .

Possuindo o maior motor já fabricado no Brasil, um V8 318 polegadas cubicas 5.212 cc3 a gasolina desenvolvia 198 cv a 4600 rpm e torque de 41,5 kgf a 2400 rpm, chegava a máxima de 180 km/h, criando assim uma faixa de luxo entre o Ford Galaxie V8 292 e o Chevrolet Opala 6 cilindros em linha 3800.

Nos modelos Charger L/S ele ganhava escape duplo chegando a 205 cv, e no Charger R/T, além dos itens do modelo Charger L/S ganhou também uma maior taxa de compressão (8,4:1) para uso de gasolina azul, de maior octanagem sendo o mais veloz e potente carro nacional, recorde de velocidade que só foi quebrado no anos 90 com o Fiat Tempra Turbo.

 

 

 

NAS PISTAS

A pesar do grande sucesso do Dart e Charger nas ruas, ele não se repetiu nas pistas brasileiras, mesmo com o motor que batia recordes de velocidade, o carro era muito difícil de domar nas curvas, devido ao seu longo entre eixos, a sua velocidade nas retas não compensava a perda nas curvas.

 

 

 

OS MODELOS FABRICADOS NO BRASIL


Dart Sedan de 1969 a 1981


Dart Coupé de 1971 a 1981


Charger LS (Luxo Sport) de 1971 a 1975


Charger R/T de 1971 a 1980
significado de R/T: “Road and Track”, que em inglês significa estrada e pista


Dart SE (Special Edition) de 1972 a 1975


Dart Gran Sedan 4 portas de 1973 a 1978


Dart Gran Coupé de 1973 a 1975


Magnum de 1979 a 1981


LeBaron de 1979 a 1981

O FIM DOS DART E CHARGER

Em 1980 a Volkswagen comprou o restante das ações da fábrica brasileira, sendo que já era proprietária de cinquenta por cento, e, em 1981 toda produção foi interrompida. O Dodge Dart é um modelo bastante cultuado pelos colecionadores, como um clássico, e pela importância que teve ao longo de muitos anos, no mercado automobilístico brasileiro. Muitos exemplares ainda podem ser encontrados em condições de total originalidade e funcionamento. (Fote Gasolina na veia e Wikipédia)